quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A Bíblia não diz que Deus não quer que Ninguém Pereça?

R. C. Sproul



O apóstolo Pedro declara com clareza que Deus não quer que ninguém pereça.
Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para conosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pedro 3.9).

Como podemos encaixar este versículo na predestinação? Se não é a vontade de Deus eleger todos para a salvação, como pode então a Bíblia dizer que Deus não quer que ninguém pereça?
Em primeiro lugar precisamos entender que a Bíblia fala da vontade de Deus em mais de uma maneira. Por exemplo, a Bíblia fala do que nós chamamos de vontade soberana eficaz. A vontade soberana de Deus é aquela vontade pela qual Deus faz com que as coisas aconteçam com absoluta certeza. Nada pode resistir à vontade de Deus neste sentido. Por sua soberana vontade, Ele criou o mundo. A luz não poderia recusar-se a brilhar.

A segunda maneira na qual a Bíblia fala da vontade de Deus é com respeito ao que chamamos de vontade preceptiva. A vontade preceptiva de Deus refere-se a seus comandos, suas leis. E a vontade de Deus que façamos o que Ele ordena. Somos capazes de desobedecer a sua vontade. Na realidade, quebramos seus mandamentos. Não podemos fazer isso com impunidade. Fazemos isso sem sua permissão ou sanção. Ainda assim o fazemos. Nós pecamos.

Um terceiro modo que a Bíblia fala da vontade de Deus faz referência à disposição de Deus, ao que agrada a Ele. Deus não tem prazer na morte do ímpio. Existe um sentido no qual a punição do ímpio não traz alegria a Deus. Ele escolhe fazê-lo porque é bom punir o mal. Ele se alegra na justiça de seu julgamento, mas é “triste” que tal julgamento justo precise ser realizado. E algo como um juiz sentar-se na corte e sentenciar seu próprio filho à prisão.

Vamos aplicar estas três definições possíveis à passagem de 2 Pedro.
Se tomarmos a declaração compreensiva “Deus não quer que ninguém pereça”, e aplicarmos a ela a vontade soberana eficaz, a conclusão é óbvia. Ninguém perecerá. Se Deus soberanamente decreta que ninguém deve perecer, e Deus é Deus, então certamente ninguém jamais perecerá. Este, então, seria um texto de prova não para o arminianismo, mas para o universalismo. O texto, então, provaria demais para os arminianos.

Suponha que aplicamos a definição da vontade preceptiva de Deus a esta passagem. Então a passagem significaria que Deus não permite que ninguém pereça. Isto é, Ele proíbe o perecimento das pessoas. E contra sua lei. Se as pessoas fossem adiante e perecessem, Deus teria de puni-las por perecerem. Sua punição por perecerem seria mais perecimento. Mas como alguém se envolve em mais perecimento do que o perecimento? Esta definição não funcionará nesta passagem. Não faz sentido.

A terceira alternativa é que Deus não tem prazer no perecimento das pessoas. Isto se enquadra no que a Bíblia diz, em outros lugares, sobre a disposição de Deus em relação aos perdidos. Esta definição poderia servir nesta passagem. Pedro poderia simplesmente estar dizendo aqui que Deus não tem prazer no perecimento de ninguém.
Embora a terceira definição seja possível e atraente para ser usada na solução desta passagem, com a qual a Bíblia ensina sobre predestinação, há ainda um outro fator a ser considerado. O texto diz mais do que simplesmente que Deus não quer que ninguém pereça. A cláusula inteira é importante: “pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.”
Qual é o antecedente de nenhum? É claramente “nós” . Será que “nós” se refere a todos nós humanos? Ou se refere a nós cristãos, o povo de Deus? Pedro gosta de falar dos eleitos como um grupo especial de pessoas. Eu acho que o que ele está dizendo aqui é que Deus não quer que nenhum de nós (os eleitos) pereça. Se esse é o seu significado, então o texto exigiria a primeira definição e seria mais uma forte passagem a favor da predestinação.
De duas maneiras diferentes o texto poderia ser harmonizado com a predestinação. De maneira nenhuma sustentaria o arminianismo. Seu único outro significado possível seria o universalismo, que então entraria em conflito com tudo o mais que a Bíblia diz contra o universalismo.

Fonte: Eleitos de Deus – Editora Cultura Cristã – Pág 144-146 

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Deus odeia só o pecado ou também o pecador?


Por Danyllo Gomes

Bem, há tempos que eu venho pensando, e pesquisando, e buscando fazer esse artigo. É impressionante a quantidade de igrejas hoje que os seus “crentes” não sabem nada sobre Deus, sobre o Deus que eles adoram. Usam “clichês” evangélicos, e as vezes o próprios clichês não condizem com a Bíblia, como é o caso do clichê que iremos analisar. Ele é bem conhecido: “Deus ODEIA o PECADO, mas AMA o PECADOR” (toda vez que me referir ao “pecador” estarei me referindo aos incrédulos, exceto no final onde farei uma exceção). Ao longo do artigo vamos analisar alguns textos para vermos se essa frase realmente é verdadeira.

Creio que alguns de vocês que estão lendo esse texto irão pensar: “aaah, mas é claro que essa frase é verdadeira, não tem nem o que se analisar aí”, ou, “não temos que nos preocupar com essas ‘besteiras’, temos que pregar o evangelho e pronto!”, ou qualquer outro pensamento que seja. Respondendo ao primeiro pensamento digo pra vocês que temos muita coisa a analisar nesse “clichê”. E ao segundo, sim! Devemos nos preocupar com análises como esta, porque é com base nela que vamos ver se nossas idéias realmente são bíblicas. E se essa frase estiver errada?! Se você fala essa frase pra muitas pessoas você estará mentindo pra elas.

Bem, antes de tudo devemos ter em mente que a doutrina que vamos analisar através da frase é a doutrina da Ira de Deus.

Há inúmeras passagens no Antigo Testamento onde vemos que Deus Se ira com o povo de Israel, vamos ver algumas delas:

Assim se acendeu a ira do SENHOR contra Israel, e fê-los andar errantes pelo deserto quarenta anos até que se consumiu toda aquela geração, que fizera mal aos olhos do SENHOR.” Números 32:13

Vamos pensar um pouco. A primeira sentença do versículo diz que ‘a ira do Senhor se acendeu contra Israel’. Sabemos que Israel não se refere a uma pessoa em si, mas a um povo, a um conjunto de pessoas. A partir do momento que a ira do Senhor se acende contra Israel, essa ira está sendo acesa em cima de que? Do povo de Israel! Aí nesse momento você pensa: “aah, mas a ira está sendo acesa por causa do pecado deles”. Certo, concordo com você, mas a ira está sendo derramada em cima de quem? Em cima do pecado do povo, ou em cima do próprio povo, ou seja, em cima das pessoas?! Quem está condenado ao inferno? O pecado ou o homem que peca? O homem está condenado POR CAUSA do pecado, e não o pecado está condenado POR CAUSA do homem. Quando nós andamos um pouco mais no texto nós vemos a condenação daquela ira, o texto diz: “...consumiu toda aquela geração...”. Pergunto mais uma vez: a condenação foi em cima de quem? Da geração, do povo! Não vejo como é possível o Senhor odiar o pecado, e amar aquele que comete o pecado, amar aquele que merece a condenação por causa do pecado. Nós temos que nos lembrar que antes de Cristo entrar em nossas vidas nós estamos debaixo da ira de Deus, Deus está irado com os nossos pecados. Deus odeia o pecado, e o pecador também.

Vamos agora para outro texto:

“A nenhuma viúva nem órfão afligireis. Se de algum modo os afligires, e eles clamarem a mim, eu certamente ouvirei o seu clamor. E a minha ira se acenderá, e vos matarei à espada; e vossas mulheres ficarão viúvas, e vossos filhos órfãos.” Êxodo 22:22-24

Pergunta: A ira do Senhor se acenderá sobre quem? Sobre pessoas! O Senhor matará quem? Pessoas! Creio que se for explicar todos os textos irei repetir tudo que coloquei no anterior. O princípio é o mesmo.

Vamos continuar analisando mais textos:

“Ide, e consultai o SENHOR por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do SENHOR, que se acendeu contra nós; porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem conforme tudo quanto acerca de nós está escrito.” 2 Reis 22:13

Pergunta: O furor do Senhor se acendeu contra quem? Pessoas!

“Porque tive vergonha de pedir ao rei, exército e cavaleiros para nos defenderem do inimigo pelo caminho; porquanto tínhamos falado ao rei, dizendo: A mão do nosso Deus é sobre todos os que o buscam, para o bem deles; mas o seu poder e a sua ira contra todos os que o deixam.” Esdras 8:22

Pergunta: A ira do Senhor é sobre todos os que o deixam, ok? Qual o único ser que pode deixá-lo? O homem! Do mesmo modo que Sua mão é sobre os que O buscam, a Sua ira é sobre os que O deixam.
Bem, agora vamos para a exceção que citei no início. A exceção é quando esse “pecador” é o cristão. Se você é cristão, você pode se perguntar: “ah, se Deus odeia pecadores, e eu sou salvo (lembrando que mesmo salvos nós ainda pecamos), como ele pode me odiar?”. Verdade, Deus odiou você até um certo ponto, mas calma, vamos por parte. Deus me odiou, eu fui alvo da ira de Deus, mas a diferença é que a ira do Senhor não foi acesa em cima de mim, foi em Cristo. Cristo no calvário foi quem pagou a dívida do meu pecado para com Deus. É como diz Gálatas 3:13: “...Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro.” Então, quanto aos salvos em Cristo, a maldição que cairia sobre nós caiu em Cristo, e quanto aos incrédulos, eles mesmo vão pagar por seus pecados na condenação eterna.

Queridos, é uma palavra dura, mas é a verdade! Isso não são minhas idéias, é a Bíblia, eu provei a vocês. Vamos ter um pensamento lógico agora: se nós afirmamos a um incrédulo: “Deus odeia o pecado, mas ama o pecador”, sabe o que você estará dizendo a ele? Que mesmo ele pecador desse jeito que está, mesmo ele condenado ao inferno, mesmo ele pecando contra o Senhor e não se arrependendo, mesmo assim, Deus ainda o ama. Mas como é possível? Deus amar alguém e mandá-lo pro inferno? Se falarmos isso vamos estar dizendo a ele que ele não precisa mudar. Que mesmo ele pecador Deus ainda o ama, isso é mentira! Você pode estar pensando nesse momento: “aah, eu não digo nesse sentido.” Por favor, me diga qual a outra explicação que se tem acerca dessa frase? Qual?

A mensagem dessa frase realmente é sutil, não percebemos, por isso que disse no início do estudo que é importante analisarmos essa coisas que você pode chamar de ‘besteira’. Isso reflete na prática, isso reflete no evangelismo. Se vamos estar evangelizando da forma Bíblica ou não.

A cada dia que passa meu coração fica mais apertado com essas idéias que vão entrando na igreja de Cristo. Por Cristo, eu desafio vocês a analisarem todos os clichês “evangélicos” que existem e verem se realmente são Bíblicos. Não é porque é chamado “evangélico” que quer dizer que diz alguma verdade sobre o mesmo. Não é.


Pergunta: se Deus não ama o pecador, porque ele mandou Jesus então?
Reposta: Apenas para cumprir a promessa feita a Abraão.

Se você não é cristão e está lendo este artigo, não se assuste. Ainda há esperança. Seus pecados podem ser perdoados em Cristo. Arrependa-se dos seus pecados! Cristo pagou os pecados de alguns. Mas pergunte-se: pode ele não ter pago o meu? Por qual motivo? Arrependa-se, vá a Ele. Viva em arrependimento dos seus pecados, e deste modo você provará que ele morreu pelos seus pecados. Viva para Ele, viva com Ele, busque a Ele. Cristo disse: “...se alguém vem a mim, de modo algum o lançarei fora.” João 6:37

Abaixo deixarei um vídeo que desafio você a ver. Espero que tenha entendido. Como diz Gregório: “Se a verdade causa preocupação, então é melhor permitir que surjam preocupações que abandonar o caminho da verdade.”

Que o Senhor nos ajude a andar na Sua verdade, até mesmo nos mínimos detalhes da Sua verdade, para que desse modo Ele, e apenas Ele seja glorificado.

Soli Deo Gloria.

video